domingo, 3 de maio de 2020

Moro vai de alavanca a bola de ferro de Bolsonaro

Josias de Souza

Colunista do UOL

Jair Bolsonaro e Sérgio Moro  Imagem: Mateus Bonomi/AGIF

Jair Bolsonaro chegou ao Planalto impulsionado pelas duas maiores forças eleitorais da sucessão de 2018: o lavajatismo e o antipetismo. Principal símbolo desses movimentos, Sergio Moro converteu-se numa alavanca que Bolsonaro não hesitou em utilizar. Agora, autoconvertido em delator do governo a que serviu como ministro da Justiça por um ano e quatro meses, o mesmo Sergio Moro tornou-se uma bola de ferro com potencial para afundar a Presidência de Bolsonaro.

A raiva que levou Bolsonaro a chamar Moro de Judas, pendurando-o num poste virtual para ser malhado nas redes sociais, é compatível com o medo que o presidente sente do seu ex-ministro. Moro reagiu ao ataque de Bolsonaro como a frieza de alguém que imagina estar jogando xadrez com uma ameba: "Há lealdades maiores do que as pessoais", escreveu no Twitter. Foi como se anotasse: "Não sou traidor, fui traído."

Interrogado pela Polícia Federal neste sábado, Moro produziu mais de oito horas de revelações e contextualizações. O deputado Eduardo Bolsonaro, filho Zero Três do alvo do depoente, vestiu a carapuça no Twitter: "Realmente é preciso muito tempo dando depoimentos a delegados amigos para ver se acham algo contra Bolsonaro. Moro não era ministro, era espião."

Se Moro tivesse trocado a 13ª Vara Federal de Curitiba por um seminário, teria espionado lições de teologia. Se tivesse migrado do epicentro da Lava Jato para um governo sério, não teria colecionado senão ordens republicanas de um presidente honrado.

Se o ex-juiz da Lava Jato decidiu deixar o governo batendo a porta e acusando Bolsonaro de tramar o aparelhamento político da Polícia Federal foi porque o seu ex-chefe forneceu material. Se o depoimento de Moro durou mais de oito horas é porque o material fornecido pelo capitão é farto e eloquente.

Na prática, a pretexto de acusar Bolsonaro, Moro termina por se autoincriminar. Ninguém convive impunemente com um governante desqualificado por 16 meses. O risco da desqualificação pessoal como que qualifica o depoimento de Moro.

Acometido pela síndrome do que está por vir, Bolsonaro reage à moda do PT. Em vez de se defender, acusa. Podendo construir a própria biografia, investe na destruição da imagem do seu acusador.

Intimado pela conjuntura a provar seu compromisso com a moralidade, Bolsonaro articula uma aliança com o anacronismo aético do centrão. Esse tipo de estratégia levou Dilma Rousseff ao impeachment e Lula à cadeia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário