terça-feira, 14 de abril de 2020

Com apoio da ala militar, Bolsonaro vai demitir Mandetta nesta semana

Avaliação no Planalto é de que clima é insustentável; saída do ministro deve ocorrer entre quarta e sexta-feira

Por Robson Bonin, de Veja


Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva (Foto: Adriano Machado/Reuters)

Com o apoio da ala militar, que já reconhece a incompatibilidade de Jair Bolsonaro com Luiz Henrique Mandetta, o martelo foi batido no Palácio do Planalto. O ministro da Saúde será demitido nesta semana.

A exoneração deve ser anunciada entre esta quarta e a próxima sexta-feira. Em sigilo, o próprio Mandetta e seu time já esperam pelo fim. Seguem trabalhando formalmente, mas já sentindo o cheiro de queimado.

Há pouco, ao falar da situação instalada no palácio, ele voltou a dizer que não pedirá para sair, será, portanto, saído.

O Radar mostrou, nesta terça, que três nomes já estão na mesa de Bolsonaro para substituir Mandetta na Saúde.

Auxiliar pessoal do presidente nessa cruzada contra as medidas adotadas por Mandetta na guerra ao coronavírus, Osmar Terra ganhou adesões importantes nas últimas horas. Ele conquistou o apoio dos filhos de Bolsonaro, como o Zero Um, Flávio, mas ainda enfrenta resistências na ala militar do governo.

Terra vem ganhando adesões por causa das críticas ao isolamento social implementado por governadores. O ex-ministro da Cidadania é o principal cotado para o cargo de Mandetta no momento.

Secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, é outro que começou a ser lembrado por apoiadores do Planalto depois da entrevista de Mandetta no domingo, como uma saída menos traumática, caso Bolsonaro decida demitir o atual ministro. Seria uma solução “meio termo” na crise.

Recentemente, um grupo influente de empresários bolsonaristas levou ao presidente o nome de Claudio Lottenberg para o cargo de ministro da Saúde na vaga que mais dia menos dia será aberta com a saída de Luiz Henrique Mandetta.

Presidente do Conselho do Hospital Albert Einstein e tido como um dos líderes da comunidade judaica em São Paulo, Lottenberg é visto com bons olhos pelo empresariado, mas seus laços com João Doria praticamente inviabilizam a indicação.

A informação de que a exoneração de Mandetta já está no forno foi confirmada há pouco, ao Radar, por interlocutores diretos do presidente. Bolsonaro, no entanto, é sempre imprevisível. A conferir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário