quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Secretária de Saúde de Alto Longá é acusada de intimidar jovens que ousam denunciar supostos desvios de recursos públicos

Serigrafista Antônio Barros e a professora Euryjanes Estêves

Na manhã de quarta-feira (26), os jovens que representam a revolução em torno de mudança no município de Alto Longá (PI), sendo eles, o serigrafista Antônio Barros, militante do Partido dos Trabalhadores (PT)) como pré-candidato a vereador pela sigla e a sua aliada professora Euryjanes Estêves (sem partido), foram intimados a comparecerem na delegacia de Polícia Civil por terem produzido um vídeo questionando valores de empenhos que constam publicados no Portal da Transparência do Município de Alto Longá como despesas.

Fato intrigante. É que, a denunciante foi a secretária municipal de Saúde, Edileusa Saraiva de Arêa Leão Brito, que vem a ser “coincidentemente” irmã do atual prefeito Henrique César de Arêa Leão Costa (PSD). Na denúncia, ela acusa Antônio Barros e Euryjanes Estêves de divulgarem Fake News (notícia falsa) em suas redes sociais, mesmo diante das comprovações no Portal da Transparência. Uma pergunta que não quer calar. Afinal de contas, as notas de empenhos publicadas no próprio site da Prefeitura de Alto Longá são “Fake News?”. Estranho em tudo isso, é que as publicações são questionadas como inverdades pela secretária de Saúde, Edileusa Brito, mesmo sendo documentos oficiais. Durma-se com um barulho desses!

Como se sabe, é uma denúncia muito séria que acarreta em judicialização caso não consiga provar. Ao passo que a denúncia supostamente caluniosa atribuída aos jovens, é considerado crime passível de detenção por aproximadamente 8 anos. Mas, a questão em análise pela Polícia Civil deverá ser periciar e comprovar a autenticidade dos documentos. Nesse sentido, Antônio Barros e Euryjanes Estêves garantem que estão tranquilos e acreditam que a apuração desses fatos deverão confirmar que as denúncias de gastos suspeitos poderão até ter outros desdobramentos desfavoráveis para a gestão de saúde.

“É notório que os valores de empenhos estão disponíveis no portal para qualquer cidadão longaense conferir. O que instiga a curiosidade são os valores estarem em nome da pessoa física da secretária Edileusa Brito, ao invés da Secretaria Municipal de Saúde”, questiona a professora Euryjanes Estêves, argumentando que os cidadãos longaenses estão curiosos para ouvirem em rádio, ou ver algum esclarecimento nas redes sociais por parte da Secretaria de Saúde a respeito dos valores altíssimos dos empenhos.

Segundo Euryjanes Estêves, até o presente momento, a única forma de resposta dada pela secretária Edileusa Saraiva de Arêa Leão Brito foi registrar um BO (Boletim de Ocorrência) contra os denunciantes, alegando ser mentira, visando intimidá-los. Agora, a suspeita de irregularidades supostamente praticadas por Edileusa Brito poderá virar um processo de Improbidade Administrativa. Quer dizer, é o feitiço podendo virar contra a feiticeira. Ah, certo!

Diante das fortes suspeitas, os denunciantes questionam também a falta de arquivos em pdfs, de todas as notas fiscais dos empenhos, constando no Portal da Transparência de Alto Longá para que todos cidadãos longaenses possam exercer seu papel fiscalizador dos recursos públicos do município. Entretanto, o Ministério Público do Estado –MPE, deveria fiscalizar rigorosamente essa situação.

Antônio Barros, Euryjanes e os advogados Eduardo Sindô e Patrícia Moreira

Site portal da Transparência de Alto Longá:


 Seguem em anexo os arquivos extraídos do Portal de Transparência de Alto Longá com os valores dos empenhos dos anos de 2017 a 2020:



Nenhum comentário:

Postar um comentário