segunda-feira, 19 de outubro de 2020

PI: Baixas no Progressistas de Ciro Nogueira são uma após a outra

O partido está tendo vários problemas políticos desde o início do ano

Sigla do partido, que está sofrendo baixas

O ano de 2020 não está bem para o Progressistas, do senador Ciro Nogueira, que desde agosto deste ano rompeu com o governador Wellington Dias e objetiva ser candidato da oposição contra o indicado pelo petista nas eleições estaduais de 2022.

As confusões no Progressistas são muitas. No último final de semana, o ex-prefeito Manin Rêgo, retirou sua candidatura à Prefeitura de Barras, deixando o partido sem nome para o principal cargo majoritário do município.

Segundo informações do site Longah, a decisão foi tomada no último sábado, 17, após reunião na casa da família de Emília Costa, que era candidata a vice de Manin Rego. José Luís Costa, irmão da vereadora Emília, informou que a família Costa ainda não decidiu se vai aderir a algum grupo político.

O que se comenta na cidade, segundo o Longah, é que essa decisão de não apresentar candidato a prefeito não foi assim tão tranquila. A relação entre Emília Costa e Manim Rego ficou estremecida. Quem estiver de um lado, o outro não estará.

No começo de outubro, outro fato prejudicou o Progressistas: o promotor eleitoral Vando da Silva Marques, da 5ª Zona Eleitoral de Oeiras, apresentou o pedido de impugnação do registro de candidatura de Edgar Castelo Branco (Progressistas), candidato a prefeito de Santa Rosa do Piauí, por ter tido as contas reprovadas em 2015, o que o impede de ser candidato baseado na Lei da Ficha Limpa. O nome do candidato, inclusive, consta na lista de inelegíveis encaminhadas pelo Tribunal de Contas do Estado à Justiça Eleitoral.

Edgar é da mesma cidade da ex-vereadora Patrícia (também do Partido de Ciro) que teve o mandato cassado pela Câmara Municipal por acusação de ter aplicado golpe em um morador da cidade utilizando-se do benefício do auxílio emergencial

Também no começo do mês, outra crise no partido: o candidato a prefeito do município de Agricolândia, Walter Alencar (Progressistas), e sua esposa Kelly Alencar (PTB), candidata a prefeita no município de Lagoinha do Piauí, foram presos em flagrante por crime eleitoral durante a Operação IBI CLAUSUS, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Durante a execução de um dos mandados de busca e apreensão, os promotores encontraram em um dos endereços do casal, no município de Agricolândia, vários materiais com uma lista contendo nomes de eleitores, com supostas vantagens indevidas, tipificando a prática de crime eleitoral. O promotor de Justiça Mário Normando, que acompanhou as buscas, ressaltou que o material descrito na lista seria oferecido aos eleitores em troca de votos.

Outro aliado de Ciro, o prefeito Thales Pimentel, do Progressistas de Paquetá, teve as contas reprovadas referentes ao ano de 2017, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). A decisão foi da Segunda Câmara, em sessão ocorrida no dia 20 de maio.

E assim caminha o Progressistas – partido do senador Ciro Nogueira.

Com informações do portal Pensar Piauí

Nenhum comentário:

Postar um comentário